Do dourado brilhante ao preto opaco: a cerveja e todas as suas cores



A bebida alcoólica mais consumida no mundo pode apresentar diversos tons. 

Cervejas podem variar do amarelo palha ao preto. Você já bebeu uma Pilsen marrom? Ou uma Stout dourada? Se a resposta para essas perguntas foi não, você deve ter tomado a cerveja certa, felizmente. A cor da bebida pode parecer algo secundário, mas, na verdade, é o primeiro atributo sensorial que percebemos ao servi-la no copo.

A importância da cor é tão grande que ela foi um dos motivos do sucesso das Pilsen, quando o estilo foi criado na República Tcheca, em 1842. Na época, as cervejas eram costumeiramente escuras, turvas. Quando o alemão Josef Groll finalizou a receita do estilo e mostrou aos cidadãos aquela bebida dourada e límpida, todos ficaram encantados e diversos locais da região começaram a imitá-la.

Assim como a Pilsen, cada estilo de cerveja tem o seu espectro de cores determinado, que dependem principalmente do tipo de malte usado na receita. Por isso mesmo não há muito como fugir das colorações já conhecidas. Dessa forma, já de olhar para o copo é possível saber se a bebida obedece aos padrões do estilo.

O malte ganha a cor a partir do processo de torrefação. Os maltes claros são torrados em temperaturas mais baixas (de 80 a 85ºC) e os escuros em mais elevadas (de 100 a 105ºC) e nisso ganham também outras características, como sabor. Existem duas escalas de cores utilizadas no mundo da cerveja. A Europian Brewery Convention (EBC), adotada no Brasil, e a Standard Reference Method (SRB). Elas são tabelas que determinam as tonalidades de cada cor possível para a bebida, do amarelo palha ao preto opaco.

As cervejas claras costumam ter cores como amarelo palha, amarelo ouro e âmbar, além de variações dentro desses espectros. Encaixam-se estilos como Pilsen, Helles, Weiss, Witbier, Vienna Lager e Pale Ale. Já as escuras costumam ter colorações como cobre, marrom, rubi e preto, como Dunkel, Black IPA, Doppelbock, Quadruppel, Red Ale e Brown Ale. Essas cores podem variar com diversas tonalidades como caramelo, avermelhado, alaranjado, ouro velho, entre outras.

Beber com os olhos

Através do olhar também se pode ter ideia de que tipos de maltes foram usados e deduzir que outros atributos sensoriais se pode esperar do olfato e do paladar. Cervejas que levam maltes torrados podem ter notas no aroma e sabor de produtos como café, chocolate e caramelo, por exemplo. As que usam os mais claros podem ter notas de pão, biscoito ou mel. Assim, ao ver a bebida já é possível ter uma ideia do que se sentirá no nariz e na boca.

Cor pode ser alterada

Mas existem outros fatores que podem influenciar. Em alguns países, e o Brasil é um deles, a legislação permite usar determinados corantes para acertar a cor. O que também pode mudar a cor é a utilização de frutas nas receitas, como as Fruit Beers ou Lambics. Uma Fruit Beer de morango, por exemplo, terá uma coloração avermelhada.

Veja algumas cores de cervejas:

Pilsen – Amarelo palha a dourado, límpidas
Witbier – Palha pálido ao dourado claro, bastante turvas
India Pale Ale – Âmbar pálido, tons alaranjados, cobre avermelhado
Weiss – Amarelo palha ao dourado escuro, geralmente turvas
Porter – Marrom claro ao escuro, pode ter tons rubi, caramelo, entre outros
Stout – Marrom escuro ao preto, com possíveis tons avermelhados
Red Ale – Âmbar a cobre avermelhado profundo

Fonte: Globo.com

Nenhum comentário :

Instablog

[Instablog][bleft]