Novos lúpulos acompanham tendência de cervejas frutadas


Programa especial foi desenvolvido pelo Instituto Hüll, que possui parceria com a AB Inbev, para cultivar variedades frutadas e cítricas.
Para acompanhar a força da tendência de cervejas com aromas e sabores de frutas, que caiu no gosto dos amantes cervejeiros do mundo todo, um dos institutos mais especializados em lúpulo do mundo, o Hüll, da Alemanha, responsável por uma série de lúpulos como o Mandarina Bavaria (apresenta aroma de mexerica e laranja), o Huell Melon (sabor de melão, damasco e morango) e o Hallertau Blanc (sabor de groselha, frutas verdes e manga), criou um programa especialmente para o cultivo de variedades com aromas fortemente frutados ou cítricos.
As últimas novidades do instituto, que exporta para o mercado brasileiro,  mais especificamente para a Ambev, são o Callista, responsável por dar aromas de maracujá, toranja, pêssego, groselha e pinho e o Ariana, que remete à toranja, cassis, gerânio, groselha e cítrico. Para chegar até essas variedades de lúpulo, um grupo especializado desenvolveu estudos de campo e realizou testes nas cervejarias, para avaliar a qualidade de amargor, decantação e adicionado durante a fermentação e/ou maturação, tanto para cervejas Lager quanto para Ale.
Ambev, por meio do grupo AB InBev, acompanha o fomento de novos lúpulos pelo Instituto Hüll. “O lúpulo é a especiaria da cerveja. É ele que traz o frescor do campo, o aroma e o amargor. Mas, como todo ingrediente, nos preocupamos sobretudo com a sua qualidade, pois ela impacta diretamente no sabor das nossas cervejas”, afirma Luciano Horn, mestre-cervejeiro da Ambev.
Para mais informações sobre o estudo realizado pelo Instituto Hüll, clique aqui
Fonte: Revista da Cerveja
Foto: Reprodução
Revista da Cerveja / Instituto Hüll

Nenhum comentário :

Instablog

[Instablog][bleft]